Suzano-SP vai contar com 13 agentes multiplicadores em curso contra a violência junto ao público masculino

 

O prefeito de Suzano-SP, Rodrigo Ashiuchi, e a presidente do Fundo Social de Solidariedade e dirigente do Serviço de Ação Social e Projetos Especiais (Saspe), a primeira-dama Larissa Ashiuchi, participaram na manhã desta segunda-feira (31 de julho) da abertura do curso de formação ministrado pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo com o objetivo de formar agentes multiplicadores na luta contra a violência que tem como vítima a mulher. Abrigado no auditório do campus da Universidade de Guarulhos (UnG), em Itaquaquecetuba-SP, o encontro reuniu agentes públicos de várias cidades do Alto Tietê.

 

Participaram da abertura, além dos prefeitos de Suzano e de Itaquá, representantes dos municípios de Poá-SP, de Santa Isabel-SP e de Ferraz de Vasconcelos-SP, além do defensor público-geral do Estado, Davi Eduardo Depiné Filho.

 

Com chancela da Escola da Defensoria Pública do Estado de São Paulo (Edepe), a capacitação conta, ainda, com a parceria do Saspe, do Fórum de Gênero e Masculinidades do Grande ABC e do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública. Com um total de 20 palestras, o curso será ministrado semanalmente até 18 de dezembro (segunda-feira) de 2017.

 

A palestra inicial foi marcada pelo lançamento da cartilha “Vamos Falar de Masculinidades?”, do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública, e pela exposição “Por Quê Falar Com Homens”, que teve à frente o psicólogo Leandro Feitosa Andrade.

 

Suzano enviou ao encontro de hoje 13 integrantes da administração municipal. A expectativa é que, em 2018, esses servidores atuem como agentes multiplicadores no atendimento aos casos de violência contra a mulher no Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas).

 

Para a presidente do Fundo Social de Suzano e dirigente do Saspe, a iniciativa representa um trabalho de excelência no combate à violência contra o público feminino, e chega como reforço ao “Promotoras Legais Populares”, que é ministrado, de graça, no município. Larissa ainda lembrou na oportunidade que o projeto contra a violência junto aos homens surgiu no Canadá, em 1989, após um homem atirar contra 12 mulheres numa escola da cidade de Montreal:

 

“Hoje, o projeto conhecido popularmente como ‘Laço Branco’ está em 56 países. Em Suzano, o lançamento foi realizado em 2004 pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Assim como acredito nas ações que desenvolvemos em nossa cidade pelo fim da violência, sei que este movimento da Defensoria Pública fará com que muitos destinos sejam modificados”, complementou a primeira-dama.

 

O prefeito de Suzano concordou com a esposa e não deixou de valorizar a atuação da Patrulha Maria da Penha. Vinculada à Guarda Civil Municipal (GCM), o setor da pasta de Segurança Cidadã atua na proteção de mulheres que sofreram violência doméstica e que contam com respaldo do poder público e do poder judiciário, com medidas protetivas:

 

“Em Suzano, com a Patrulha Maria da Penha, atendemos mais de mil casos deste crime (violência contra a mulher) que não faz diferença de classe social. Suzano está empenhada neste tema e apoia totalmente este curso de formação da Defensoria Pública”, finalizou Ashiuchi.

ARTICULISTAS

 

After you have typed in some text, hit ENTER to start searching...