Favela ‘imortal’ no Monte Cristo pode atrasar a Fatec, o Hospital Federal e a extensão da Sete de Setembro

Não é só a obra da Fatec que depende da determinação do governo do prefeito Rodrigo Ashiuchi (PR) para sair de papel – após quase cinco anos de promessas do governo e de autoridades políticas de Suzano. A obra de extensão da rua Sete de Setembro também exige pressa do governo no que se refere a transferência de famílias que residem em condições sub-humanas na favela (ocupação) do Jardim Monte Cristo. Essa comunidade existe desde o século passado sem que nenhum governo/ex-prefeito (excetuando-se a gestão do ex-prefeito Marcelo Candido) tenha trabalhado de forma séria a efetiva para transferir as famílias e liberar a área para investimentos essenciais para o desenvolvimento da área central de Suzano. No mês passado o Oi revelou que cerca de 10 ou 15 barracos estão em parte da área onde será construída a Fatec. Na semana que passou o jornal denunciou que muitos outros barracos estão no traçado definido para a extensão da rua Sete de Setembro.

Erradicar tal ocupação deveria ser prioridade zero da prefeitura

De acordo com as últimas informações da prefeitura de Suzano ainda não existe processo judicial (para atrasar/emperrar) a transferência das famílias da favela do Monte Cristo para moradias decentes. O terreno é da prefeitura que segue relutando em estabelecer um prazo para erradicar essa comunidade e, ao mesmo tempo, liberar uma área fundamental à cidade e dar dignidade à cerca de 120 famílias.

Jornal questiona o governo sobre a liberação de área invadida para extensão de rua

A prefeitura foi questionada sobre a liberação do traçado para a extensão da Sete de Setembro entre as avenidas Roberto Simonsen e Paulista. O Jornal voltou também a questionar o governo sobre o trabalho para a liberação da área da Fatec. Veja as respostas da assessoria do governo de Rodrigo Ashiuchi (PR).

Barracos x obra da Sete de Setembro

“A execução das obras estará em consonância com a negociação para a remoção das famílias, estabelecendo um cronograma em comum entre a empresa contratada e os representadores dos moradores. A quantidade de estruturas que possam estar no traçado da via ainda será apurada mediante o estudo cadastral (topografia) ”. Esse esclarecimento da prefeitura indica que as obras poderão começar mesmo antes da transferência das famílias, ocorre que para fazer a extensão da Sete de Setembro o governo de Suzano precisa complementar informações a Cetesb e receber o “ok” da parte do governo estadual. Isso não tem prazo ainda para acontecer.

Ocupações X Fatec

“A pasta (seria a Secretaria de Planejamento Urbano e Habitação) está concluindo os estudos social e topográfico, que informarão com precisão quais estruturas estão na área destinada à Fatec. A previsão é que os trabalhos sejam concluídos em aproximadamente 20 dias. A expectativa é que estes dados estejam disponíveis ainda este mês”, esclareceu a assessoria do governo. O fim da concessão, ainda sem prazo certo, de dois campos de futebol (no terreno onde será a Fatec) nas esquinas das avenidas Mogi das Cruzes e Paulista, feita pela prefeitura à dois times também pode atrasar ainda mais a liberação de todo o terreno que à obra da Fatec. A única vez que a ocupação (favela) encolheu foi na gestão do ex-prefeito Marcelo Candido.

ARTICULISTAS

 

After you have typed in some text, hit ENTER to start searching...